Mosteiro de Rila

0 Flares 0 Flares ×

Seria nosso penúltimo dia de viagem pela região dos Balcãs. Já tínhamos passado quase três semanas vendo inúmeras igrejas na Albânia, na Macedônia e no Kosovo. Muitas foram impactantes, especialmente as de Ohrid, mas chega uma hora em que já estamos meio saturados e não nos surpreendemos mais. Por isso pensamos que não valeria a pena encarar algumas horas de estrada de Sofia ao Mosteiro de Rila apenas para ver mais do mesmo. Mas já tínhamos passado uma tarde em Sofia e se ficássemos na cidade teríamos mais dois dias inteiros por lá, então resolvemos ir a Rila pelo menos pra passar o tempo.

E então, quando chegamos ao Mosteiro, nos deparamos com esta imagem:

Mosteiro de Rila

Como é que eu havia pensando em não conhecer esse lugar? A primeira imagem me deixou literalmente boquiaberta: uma igreja toda colorida cercada por montanhas e florestas e de brinde um céu totalmente azul. Eu não poderia imaginar que iria encontrar algo tão espetacular!

Mosteiro de Rila+

Mosteiro de Rila

Os adjetivos serão necessários, não dá para falar do Mosteiro de Rila sem sucumbir às palavras que imperfeitamente traduzem minhas impressões. Eu só conseguia pensar no quanto aquele lugar era fantástico! E o Eduardo, ao meu lado, estava sob efeito do mesmo encanto. Rila entra na lista dos lugares mais bonitos que já tivemos a chance de conhecer.

Mosteiro de Rila

Mosteiro de Rila

Fazia muito frio naquela manhã no finzinho de setembro. Os termômetros marcavam míseros 5 °C. Desconfio que muitas vezes os dias mais bonitos do outono apareçam assim, quando as temperaturas despencam. Era uma quarta-feira e não havia muita gente no Mosteiro de Rila. Nós contratamos o passeio no hotel e saímos de Sofia pouco depois das 9h da manhã. São apenas 120 km de distância, mas a viagem é um pouco lenta, pois a região é bem montanhosa e a estrada cheia de curvas. Mas não demorou muito, em menos de duas horas chegamos lá. Nosso motorista era o Daniel e no carro conosco havia mais um turista inglês.

Mosteiro de RilaMosteiro de Rila

A Torre de Hrelja e a Igreja da Natividade

A Torre de Hrelja e a Igreja da NatividadeTorre de Hrelja

O Daniel nos deixou na entrada e marcou o horário de volta: teríamos duas horas para aproveitar o Mosteiro de Rila. E o que fizemos durante esse tempo? Tiramos fotos até quase lotar o cartão da câmera, é claro! 🙂

Igreja da Natividade

Mosteiro de RilaMosteiro de Rila

Havia dois museus (um etnográfico e um com acervo sacro, ambos pagos), mas não entramos em nenhum. Dá também para entrar em alguns cômodos, ver mais ou menos como as coisas funcionam no mosteiro, mas fizemos isso rapidamente. Nos contentamos em ficar andando por ali e apreciando o complexo de todos os ângulos possíveis. Para não dizer que só olhamos sem aprender nada, li o que o Lonely Planet dizia. Transcrevo aqui agora, em tradução livre, as partes que achei interessantes:

“O maior e mais famoso mosteiro da Bulgária emerge repentinamente no meio de uma vale coberto por florestas nas montanhas de Rila. É uma grande atração tanto para peregrinos búlgaros quanto para turistas estrangeiros. Nos finais de semana de verão o mosteiro fica especialmente cheio, embora em outras épocas fique mais deserto.”

“O Mosteiro de Rila foi fundado em 927 pelo monge eremita Ivan Rilski. Originalmente construído 3 km a nordeste, ele está na localização atual desde 1335. No final do século XIV ele se tinha se tornado um poderoso feudo. Embora saqueado no início do século XV, o mosteiro foi restaurado em 1469, quando as relíquias de Rilski foram trazidas de volta de Veliko Tarnovo. O Mosteiro de Rila foi vital para a preservação da cultura e da religião búlgaras sob o domínio otomano, que o destruiu diversas vezes.

Porém um acidente causou a Rila sua maior catástrofe moderna: em 1833 um incêndio engoliu quase todos os prédios monásticos. A enxurrada de doações de búlgaros e estrangeiros permitiu que a reconstrução começasse dentro de um ano. Em 1961 o regime comunista declarou Rila um museu nacional e 22 anos depois ele se tornou um Patrimônio Mundial da Unesco.”

Mosteiro de Rila

Mosteiro de Rila

O mosteiro abriga 300 celas para monges. Eles estão distribuídos em prédios de 4 andares que ficam ao redor da igreja principal. Há também quartos para acomodar peregrinos e turistas. O Lonely Planet diz que há dormitórios mais simples e suítes mais confortáveis. Pra quem quer estar lá bem cedinho ou planeja fazer uma das trilhas pela região pode ser uma boa opção. Não encontrei muitas informações no site oficial, mas talvez você tenha sorte entrando em contato com eles.

Mosteiro de Rila - Acomodação dos monges

Mosteiro de Rila

A igreja principal do Mosteiro de Rila se chama Igreja da Natividade. A entrada é gratuita. Por dentro ela também é linda, toda recoberta por pinturas que agora estão escurecidas pelas chamas das velas quer ardem sem parar. Ela foi construída entre 1834 e 1837, após o incêndio. Há muitos detalhes dourados, especialmente na iconóstase, aquele painel de madeira que separa o altar nas igrejas ortodoxas. Não lembro se as fotografias eram proibidas no interior da igreja, mas como não tenho nenhuma imagino que sim. Mas não tem problema, do lado de fora a gente pode fotografar à vontade! Os afrescos têm motivos bíblicos. A parte de baixo retrata o inferno e a parte de cima o céu cheio de anjos e santos. Dá para passar horas ali só admirando os murais!

Afrescos na Igreja da Natividade

Afrescos na Igreja da NatividadeAfrescos na Igreja da Natividade

Afrescos na Igreja da NatividadeAfrescos na Igreja da Natividade

Afrescos na Igreja da NatividadeAfrescos na Igreja da Natividade

Na parte de trás do mosteiro tem uma casa de pedras onde é vendido uma espécie de donut, frito na hora e polvilhado de açúcar. É baratinho, custa 1 lev. Já que estávamos lá, pra que resistir?

Donut búlgaro

Casa onde é feito o donut búlgaro

IGREJA DE BOYANA

Os passeios de Sofia ao Mosteiro de Rila costumam incluir uma parada na Igreja de Boyana, mais uma atração da Bulgária na lista de Patrimônios da Unesco. Ela fica num bairro chique de Sofia que leva seu nome, Boyana. Por fora ela não impressiona, é bem simples e pequena. Seu maior acervo está do lado de dentro: seus afrescos são alguns dos poucos exemplares de arte medieval que sobreviveram ao tempo. Há pinturas de várias épocas que variam dos séculos XI a XIX, mas as maiores e mais importantes são de 1259. Não é permitido fotografar o interior da igreja, mas se você procurar “boyana church” no Google Imagens vai encontrar várias fotos. A entrada é meio cara (10 leves por pessoa), mas pelo valor histórico a visita é válida.

Igreja de Boyana

Igreja de BoyanaIgreja de Boyana

COMO IR AO MOSTEIRO DE RILA

Saímos de Sofia às 9h e por volta das 15h estávamos de volta. O ponto de início é término foi a Catedral Alexandre Nevsky e para nós foi ótimo, pois nosso hotel ficava do lado. Não sei o nome da empresa que nos levou, pois, como eu disse, reservei o passeio na recepção do hotel, mas não se preocupe, é o passeio mais comum a partir de Sofia e você não terá dificuldades para reservar o seu. O preço padrão é 25 euros por pessoa. Nós fomos em um carro com o motorista e mais um turista, mas vi anúncios de passeios de ônibus pelo mesmo preço, então confirme o meio de transporte antes de contratar.

Sei que é possível ir ao Mosteiro de Rila por conta própria, usando transporte público, mas não há como ir direto de Sofia, é preciso ir primeiro a Blagoevgrad e talvez você tenha que dormir lá uma noite. Leva muito mais tempo, porque os ônibus não são frequentes, mas é possível e mais barato que o tour. Se quiser ver o relato de quem foi assim, veja este post da Katie Aune, em inglês: A Day Trip to Rila Monastery.

Se você quer economizar ou se tem mais tempo e pretende explorar a região de Rila com mais calma, pode encarar a viagem por conta própria. A Bulgária é muito mais tranquila dos que nossos preconceitos nos levam a supor. Mas se você quiser fazer apenas um bate e volta, com certeza o tour é a melhor opção.

Veja todos os posts sobre a Bulgária no Viaggiando.

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 0 Flares ×

Continue Viaggiando:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *