Ouro Preto: quando eu, enfim, caí de amores por ela

0 Flares 0 Flares ×

Apaixonada como sou por cidades históricas, era de se estranhar que eu não caísse de amores por Ouro Preto. Eu sempre reconheci sua importância, mas havia algo que me fazia preferir Tiradentes e Diamantina e menosprezar Ouro Preto. A verdade é que sempre a achei uma cidade difícil. As ruas estreitas de pedras que contornam os morros da cidade não são nada apropriadas aos carros e às vezes desanimam até os mais acostumados a caminhar. Acho que eu tive o azar de visitar Ouro Preto em dias muito quentes, o que tornou a experiência um pouco desagradável.

Oratório em Ouro Preto

Ladeira de Ouro Preto

Ouro Preto

Mas eu sabia que o maior problema era outro: eu nunca tinha dormido lá! Apenas 100 quilômetros separam a mais famosa cidade histórica mineira de Belo Horizonte e a tentação de ficar no bate e volta é grande. Passar o dia em Ouro Preto e voltar para dormir em casa é totalmente possível, mas com certeza não é a melhor forma de visitar a cidade pela primeira vez. Foi aí que eu errei nas primeiras vezes! Eu sabia que precisava dar outra chance a Ouro Preto e só na minha terceira viagem até lá é que a ficha caiu.

Ouro Preto

Ouro Preto

Ouro PretoOuro Preto

Ouro Preto

Casa abandonada em Ouro Preto

Pra começar, essa terceira visita foi em um época mais agradável: agosto, quando o frio já tinha se despedido, mas o calor ainda não tinha dado as caras. Dessa vez percebi que não dá para aproveitar Ouro Preto com pressa. Ela não foi a primeira cidade brasileira a receber o título de Patrimônio da Unesco à toa e seu acervo é maior do que pode parecer à primeira vista. Por mais que as igrejas sejam suas maiores atrações, não é correndo de uma para outra que a gente a conhece como se deve. A maior graça está em percorrer as ruelas com calma, parando para observar os detalhes da construções, se perdendo e a cada curva descobrindo novos cantinhos preferidos na cidade.

Ouro Preto

Ouro PretoOuro Preto

Ouro Preto

Ouro Preto

As igrejas estão por todo lado e são um atestado incontestável da presença e força da Igreja Católica em Minas Gerais durante o Período Colonial. É só virar a cabeça para avistar uma torre. Bom, geralmente duas torres, mas às vezes é só uma mesmo. Opiniões religiosas e políticas à parte, uma coisa é certa: as danadas são fotogênicas!

Igrejas de Ouro Preto

Igrejas de Ouro Preto

Igrejas de Ouro Preto

Igrejas de Ouro Preto

Igrejas de Ouro Preto

Na época dessa viagem eu falei uma coisa no instagram que rendeu até uma certa polêmica. Muita gente discorda da minha opinião, mas vou repetir aqui: eu acho o valor cobrado para entrar nas igrejas de Ouro Preto muito caro (R$ 10,00 por igreja). Eu não questiono a importância e o valor histórico-cultural de cada uma e entendo que é preciso existir alguma forma de controle até mesmo para que o patrimônio não seja danificado, mas não acho que a cobrança desse ingresso seja a melhor forma. O valor de uma única entrada isoladamente pode parecer pouco, mas quando a gente pensa que há pelo menos 3 ou 4 igrejas consideradas imperdíveis e multiplica isso pelos membros de uma família… Aí você me diz que vale a pena porque as igrejas são isso e aquilo e eu concordo que vale, só acho que o preço cobrado restringe muito o acesso. Ah! É proibido fotografar o interior das igrejas!

Igreja Matriz de Nossa Senhora do Pilar

Bom, mas deixemos as minhas lamúrias de lado e voltemos à programação normal! A parte boa é que as igrejas de Ouro Preto são lindas também por fora e algumas ainda têm a vantagem de servirem como ótimos pontos de observação. Uma das minhas preferidas é a Igreja de Nossa Senhora do Carmo, cujo jardim tem a vista perfeita para as montanhas que circundam a cidade. Estar na escadaria da Igreja do Carmo na hora que o sol se põe é uma ótima ideia!

Igreja de Nossa Senhora do Carmo

Igreja de Nossa Senhora do Carmo

Jardins da Igreja de Nossa Senhora do Carmo

Outra que está na minha lista de preferidas e na de quase todo mundo que visita Ouro Preto é a Igreja de São Francisco de Assis. Aleijadinho se esmerou no medalhão da fachada! Olhando de frente a gente acha que é uma igrejinha, mas na verdade ela é enorme. Os jardins ao seu redor são outra delícia. A muretinha com vista para a cidade é um daqueles lugares pra gente sentar e se esquecer do tempo e na parte de trás temos uma vista fantástica para o Pico do Itacolomi.

Igreja de São Francisco de Assis

Igreja de São Francisco de AssisFachada da Igreja de São Francisco de Assis

Igreja de São Francisco de Assis

Lateral da Igreja de São Francisco de Assis

Portão da Igreja de São Francisco de Assis

Pico do Itacolomi

Mureta da Igreja de São Francisco de Assis

Mais uma que eu acho linda é a Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição de Antônio Dias, que pode passar despercebida porque está de portas fechadas para reforma há alguns anos. Tenho certa tendência a gostar do que parece meio largado, aguardando reparos, sabe? Essa igreja abriga o Museu do Aleijadinho e é lá também que ele está enterrado. Vi notícias dizendo que o museu permaneceria aberto durante as obras na igreja, mas ela estava toda fechada quando estive lá, num domingo.

Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição de Antônio Dias

Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição de Antônio Dias

Nós já tínhamos entrado em algumas igrejas nas outras vezes em que estivemos em Ouro Preto e dessa vez queríamos só mesmo curtir a cidade. Se quiser mais informações sobre as visitas às principais igrejas, dê uma olhadinha nos posts da Silvia no Matraqueando. Ela mostra o porquê de se visitar uma ou outra igreja e pode te ajudar a escolher as que valem a pena.

O único lugar fechado que revisitamos foi a Casa dos Contos. Estávamos passando na porta, lembrávamos que era um visita legal, a entrada era gratuita, entramos! O casarão serviu como residência, local de arrecadação de impostos, prisão para os inconfidentes e hoje é um museu. No subsolo ainda existe a antiga senzala, uma lembrança triste da escravidão no Brasil e em Ouro Preto.

Casa dos Contos

Casa dos Contos

Vista da sacada da Casa dos ContosVista da sacada da Casa dos Contos

Um que eu nunca visitei, nem sei o porquê, é o Museu da Inconfidência, que fica na Praça Tiradentes, a praça mais famosa de Ouro Preto. É impossível passar pela cidade sem ver esse prédio imponente que abrigou a Casa de Câmara e Cadeia na antiga Vila Rica. Vamos ver se numa próxima visita à cidade eu enfim o conheça por dentro (porque é claro que haverá outras visitas).

Museu da Inconfidência

Imagino que a essa altura, e também pelo título do post, já tenha dado para perceber que dessa vez Ouro Preto conseguiu me conquistar, né? A quantidade de fotos tiradas que o diga! Viram só o que um clima mais ameno e um céu azul não são capazes de fazer? 😉

Entardecer em Ouro Preto

Veja todos os posts sobre a Estrada Real no Viaggiando.

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 0 Flares ×

Continue Viaggiando:

16 Comments

  1. Me lembrou O Porto! <3

    Morro de vontade de conhecer Ouro Preto e fazer a estrada real. É a região no Brasil que mais me faz sonhar! Mas como viu sempre em dezembro, desanimo por causa do calor e tb dos preços de final de ano. Nas últimas vezes que olhei, uma pousadinha simples era mais cara que um hotel bacana em Paris. E agora com bebê imagino que seja ainda mais complicado por causa dos morros… Empurrar carrinho por ali não deve ser nada prático. Me resta ir viajando nos seus posts mesmo…

    Ps: lindas lindas lindas fotos!

    • Mirelle, ainda vou fazer um post específico sobre a hospedagem, mas já te adianto que também acho tudo muito caro em Ouro Preto. É difícil encontrar qualquer coisa decente por menos de 300 reais. Os hotéis no Brasil perderam a noção, mas em Ouro Preto é ainda pior que na maioria dos lugares!

      Espera a Alice crescer um pouquinho. Quando ela já estiver subindo os morros vocês fazem essa viagem. Passa rapidinho, pode começar a fazer os planos. 😉

  2. Carla Portilho

    E se você quiser se apaixonar ainda mais, leia O Romanceiro da Inconfidência, da Cecília Meireles. À primeira vista a leitura pode parecer pouco amigável por narrar a história em forma de poesia, mas conforme se vê a riqueza de fatos e detalhes que ela conta, fica impossível não se encantar!

  3. Eu gosto muito de Ouro Preto. Sempre foi minha cidade histórica favorita – e confesso que nunca entendi quem fala que Tiradentes é melhor.

    Vai ver é porque sempre fui em Ouro Preto para dormir (voltei de lá este fim de semana, depois de três dias incríveis na cidade).

    O centro histórico é enorme, lindo e cheio de coisas interessantes. Já tem um tempinho que não entro mais nas igrejas, afinal já fiz isso algumas vezes (e acho um absurdo igreja cobrar entrada, não importa qual seja). Mas adoro passar na porta delas, ficar de bobeira em bons bares e restaurantes, enfim, relaxar com aquele cenário incrível de fundo.

    Uma coisa que percebi nessa viagem: Ouro Preto não combina com carro. Pela segunda vez fui de ônibus. É muito fácil – e você se obriga a andar pelas ruas, não se preocupa em onde vai parar o carro e não passa aperto dirigindo pelas ladeiras da cidade. Muito melhor. 🙂

    A gente devia fazer um encontrão blogueiro em Ouro Preto, hein?

    • Definitivamente Ouro Preto não combina com carro! Pra falar a verdade, acho que a maioria das cidades históricas não combinam. Sonho com o dia em que os carros serão proibidos no centro histórico de Tiradentes, por exemplo. Nessa última vez em Ouro Preto deixamos o carro no estacionamento do hotel quando chegamos e só tiramos de lá na hora de ir embora. É muito melhor assim.

      Também sou contra a cobrança de entrada em igrejas. Entendo que algumas acabam se tornando museus, mas acho que quando é inevitável arrecadar algum valor para manutenção não poderia ser algo abusivo como ocorre em Ouro Preto. Hoje em dia não costumo pagar para entrar em quase nenhuma e também prefiro curtir o visual do lado de fora. E nisso as igrejas de Ouro Preto são sensacionais!

      Gostei dessa ideia de um encontro em Ouro Preto! Tão pertinho, é só marcar!

    • Carla Portilho

      Concordo com você, Rafael, Ouro Preto e carro não combinam! Na última vez que fui, há quase 2 anos, fiquei em uma pousada a cerca de 1 km do centro. Pois estacionamos o carro no dia em que chegamos e só pegamos de volta na hora de ir embora. Esquadrinhamos tudinho a pé, e foi a melhor escolha que poderíamos ter feito!

  4. Camila, estive pela primeira vez em Ouro Preto em janeiro deste ano. Fiquei só um dia, quer dizer, meio período lá, já que tive que dividir um dia entre Ouro Preto e Mariana, e a noite já peguei um ônibus para BH. Voltei de lá com uma sensação de que precisava voltar lá, já que, praticamente, não vi nada, tanto que não postei sobre a visita no meu blog.
    Depois de lê esse post, claro que fiquei ainda mais com vontade de voltar. E olha, que fotos são essas? Lindas, fantásticas!

    • Juliana, eu já desisti desse negócio de querer ver tudo em Ouro Preto e até acho que é desnecessário visitar todos os pontos turísticos, mas entendo essa sua sensação de precisar voltar. Meio dia é muito pouco mesmo! Escreva mesmo assim, mostre suas impressões! Não há receita a seguir em Ouro Preto! =)

      Acredita que ainda não conheço Mariana? Estou pensando em um fim de semana exclusivo para ela.

  5. Marcia Ramos

    Oi Camila. Estive em Ouro Preto em 2012. Passei 3 dias e vi as principais igrejas. Na ocasião achei que a conservação estava a desejar. O ingresso variava entre 2 a 8 reais. Mas ~um passeio muito agradável que fiz e não sei se você conheceu foi o horto. Você pode começar pela entrada próximo a rodoviária e ir descendo por meio do bosque até a saída, já próximo da Igreja do Pilar. Gostei muito. Há aproveito par te convidar a dar uma olhadinha no meu blog. Comecei recentemente, eu me senti estimulada para escrever depois de acompanhar o teu e outros por aqui. Ainda estou aprendendo o caminho
    http://www.caminhosdeviajante

    • Oi, Marcia! Acho que os preços já subiram um pouco desde que você esteve lá. Não conheço o horto, vou lembrar de ir até lá numa próxima visita. Suas fotos de Ouro Preto estão lindas!

  6. Adriana Fernandes

    Estive em Ouro Preto pela primeira vez no final de semana que passou. Amei! Não consegui conhecer muita coisa, o que é bom porque quero voltar logo.
    P.S. Concordo que o valor pago para entrar nas igrejas é alto, ainda mais que são várias igrejas para visitar…da próxima vez vou fazer um tour pelas ruas. Lindas fotos!

  7. Ótimo post!! Parabéns! Acho Ouro Preto a melhor cidade do mundo!! Nasci e fui criada em Belo Horizonte, mas amo OP! Tenho que ir sempre!! Também já fomos pra Ouro Preto e voltamos no mesmo dia. Mas não vale a pena não!! Tem que passar pelo menos o final de semana! Concordo com você em relação aos preços das entradas nas igrejas!! Deveria ser um valor simbólico. A última vez que fomos, foi agora em julho de 2016, e particularmente foi ótimo, porque pudemos levar nosso filho de 5 anos. Antes disso, já tínhamos levado, mas como ele era muito novinho, achamos melhor deixa-lo com os avós nas outras vezes q eu e meu marido fomos. Mas agora com 5 anos, ele já entende, se interessou por tudo, perguntava tudo!! Levamos nas igrejas, museus, chafarizes, ele amou!! Me pergunta sempre qdo iremos voltar a Ouro Preto!! Detalhe: fomos de carro, e deixamos o carro no estacionamento da pousada, e fizemos tudo a pé!! Vale a pena conhecer essa que é uma das cidades mais interessante e fascinante do mundo!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *